Por Camilla Colenghi


Temos que SE agradecer. 

Lembrar uma fase difícil, olhar para uma foto antiga, refletir sobre o que passou, e levantar as mãos para o céu por VOCÊ ter feito o que fez, É preciso se agradecer. Por não ter desistido. Por ter vencido as adversidades que foram arremessadas na sua testa, digo, vida. Porque se obstáculos foram superados, não foi sorte. 

Sorte nenhuma te diz o que fazer com a dor dos desafios, tragédias, mudanças, crises. Sorte não tira sua ‘’buzanfa’’ da cadeira e te força a seguir, quando a vontade é de se encolher no chão do banheiro. Sorte não mantém seu pescoço erguido, se você não fizer o esforço de o levantar. Sorte sozinha não seca lágrimas em noites que demoram um ano inteiro para terminar. Sorte não toma decisão difícil, não tem conversa desconfortável e não firma as pernas bambas de vulnerabilidade. 

É claro, poderia ter sido bem pior. Muitos são os privilégios. Mas você estar de pé hoje, não é obra do acaso. É sua. Mesmo que a inspiração tenha vindo dos céus. 

Celebre a sua versão que encarou o não ‘’encarável’’, que se quebrou e se reconsertou do jeito que deu. Agradeça os mecanismos de defesa, nem sempre inteligentes, que lhe ajudaram a sair de cada buraco, sem que fosse o último. 

E saiba: há uma versão sua, do futuro, olhando para trás e agradecendo os difíceis passos dados hoje. 

É preciso se agradecer. Porque é assim que a gente se sustenta. E é daí que nasce a nossa força.