Semana do Meio Ambiente


Marcos Moreno


Pois é! A dúvida é: com a pandemia, parece que o tempo está passando mais depressa ou mais devagar? Pra mim, particularmente, está descontrolado.  Porque não consigo acompanhar. Assusto quando muda o mês. Tudo tão igual e tão amedrontador ... E assim vamos nós. E já chegamos na metade do ano. Acreditávamos que esse seria um ano “normal”. Enfim ... assim chegamos na Semana do Meio Ambiente e a questão da hora é que um estudo aponta que a vegetação nativa do maior bioma nacional pode ficar reduzida em 20% até 2050; ações de preservação podem garantir segurança hídrica e proteção à sociobiodiversidade. Sim, estamos falando do Cerrado! 

Com uma área de 24% do território brasileiro, segundo bioma em extensão do Brasil, o Cerrado está presente em nove estados e já perdeu mais da metade de sua vegetação nativa. E mais: a sua ocupação descontrolada e contínua pode levar à perda de 82% da cobertura vegetal original até 2050, em um espaço que se estende do Brasil ao Paraguai. O Cerrado é um dos ecossistemas mais afetados pelo desmatamento nos últimos anos e traz graves consequências ao equilíbrio do meio ambiente e a sua conservação está atrelada à segurança hídrica, à manutenção e criação de territórios sustentáveis no Brasil. 

A conservação do bioma também se reflete em sua rica biodiversidade. O Cerrado abriga o equivalente a 11% dos mamíferos, 13,4% das aves, 20% dos répteis e 30% dos anfíbios do país e a sua devastação pode implicar na extinção de espécies como o beija-flor-de-gravata-verde, o lobo-guará, o pato-mergulhão, entre outras.



Recriação da paisagem 

O Fundo de Parceria para Ecossistemas Críticos (Critical Ecosystem Partnership Fund), o CEPF, que existe há 21 anos, realiza ações globais para minimizar novas devastações, restaurar terras degradadas para a recriação da conectividade ecológica na paisagem e ampliar a rede de áreas protegidas.

Desde 2016, o CEPF investiu US$ 8 milhões na conservação do bioma. No Brasil, conta com a parceria e o apoio do IEB, instituição brasileira selecionada para atuar como Equipe de Implementação Regional da estratégia do CEPF no Cerrado.

A atuação do CEPF conta também com o apoio da Agência Francesa para o Desenvolvimento, a Conservação Internacional, a União Europeia, o Fundo para o Meio Ambiente Global (GEF), o Governo do Japão e o Banco Mundial.



Cafés do Cerrado Mineiro 

Em parceria com grandes empresas que atuam na cafeicultura e cooperativas, o CEPF/IEB desenvolveu o Consórcio Cerrado das Águas (CCA) com o objetivo de recuperar, conservar e criar corredores ecológicos para minimizar perdas nas lavouras de café, como está ocorrendo nesta safra, devido à forte estiagem. Empresas como Nespresso, Nescafé, Volcafé, Nestlé, Cofco Intl, Lavazza e as cooperativas Expoccacer e Cooxupé são parceiros neste projeto que já investiu em torno de R$ 3 milhões em ações ambientais.



RPPN 
As Reservas Particulares de Patrimônio Natural (RPPN) são áreas que podem ser criadas nas propriedades rurais para proteger a biodiversidade local perpetuamente. O CEPF/IEB, através do programa Reservas Particulares Naturais, atua no incentivo no estabelecimento de RPPNs no Cerrado, em parceria com a Fundação Pró-Natureza (Funatura) auxiliando na desburocratização do processo junto aos proprietários rurais, e assistência técnica para elaborar planos de manejo. O CEPF/IEB já participou da criação de 47 RPPNs no bioma e o objetivo é estabelecer 70 RPPNs no Cerrado até o final de 2021.


Serra da Bodoquena 

A parceria entre a Fundação Neotrópica e o CEPF/IEB capacita os Conselhos Municipais de Meio Ambiente (Comdema), nos municípios da região Serra da Bodoquena (MS), a fim de ampliar a arrecadação do ICMS Ecológico, um mecanismo de repartição de receitas tributárias baseado em critérios ambientais. Com a comprovação de conservação ambiental e correta gestão de resíduos urbanos sólidos, os municípios podem obter até 25% do ICMS arrecadado pelo Estado.



Castanha do Baru 

Para fortalecer a cadeia produtiva de uma das maiores riquezas gastronômicas brasileiras, a castanha do baru, originária do Cerrado, o CEPF/IEB firmou parceria com o Centro de Desenvolvimento Sustentável (CDS/UnB) e o Working - Associação de Integração Profissional para fomentar o comércio justo da castanha, maximizar os retornos socioeconômicos para as comunidades de produtores locais e promover a conservação da biodiversidade e a manutenção dos serviços ecossistêmicos do Cerrado.


Qualidade da água 

Indicadoras da qualidade das águas do Cerrado, espécies endêmicas como o Pato Mergulhão e a perereca Pithecopus ayeaye estão ameaçadas de extinção. Para estudar e conservar estas espécies nativas do Cerrado, o CEPF/IEB mantém projetos com o apoio e parcerias de universidades, Instituto Araguaia e o Instituto Amada Terra de Inclusão Social, visando aumentar as populações destes animais no bioma e evitar o seu desaparecimento.


Então ... 

Está se fazendo muito para a preservação do Meio Ambiente. Mas existe o outro lado, o ilegal, coberto e encoberto pela ambição do homem. O que não acompanha a ambição tão abrangente é que sem Meio Ambiente, não existirá mais nem a própria ambição. E o Meio Ambiente precisa desde a mínima atitude de cada um até as decisões governamentais. Para exemplo de “mínima atitude” podemos pensar em não jogar lixo em qualquer lugar. Para exemplo de decisões governamentais, podemos pensar em Ministérios com sérios critérios e gente honesta. 

(Parceiro publicitário: Moreno Pet Blog)


Marcos Moreno

Comunicador, colunista, criador da Coluna Amigo Animal e do Moreno Pet Blog. 

Siga o Marcos no InstagramFacebook e/ ou lhe envie um e-mail (kiktiomoreno@terra.com.br).


Siga a Revista Mulheres no Instagram e no Facebook.