Qual seu primeiro roteiro pós-pandemia?


Marise Romano

Fotógrafa e colunista social.


A matéria deste mês vai aguçar seu desejo de conhecer a inigualável Veneza, cidade encantadora da Itália.

Esta desafiadora cidade se estende sobre um conjunto de 119 ilhas que emergem da lagoa que existe entre a terra firme e o mar aberto. O local era habitado por pescadores e extratores de sal que viviam sobre a água da lagoa, em palafitas.

O surgimento de Veneza data de 452, quando habitantes do nordeste italiano se refugiaram para escapar das invasões bárbaras que colocaram fim ao Império Romano. A Europa no século V se refugiou nesta região por ser uma grande lagoa de água doce e uma região segura. Sua localização difícil entre pântanos fez com que os moradores aprendessem a viver de forma isolada e independente e assim, afastaram momentaneamente possíveis conquistadores. Logo as ilhas estavam completamente tomadas e houve a necessidade de avançar sobre as águas.

O jeito de resolver o problema de como unir os pedaços de terra foi aterrando as distâncias. Assim, os espaços para a construção cresciam e os canais de água foram ficando mais estreitos. Os aterros tornaram-se cada vez mais comuns e procura por terras secas já não tinha como acontecer. A engenharia explica o que parece loucura ou magia. A Praça São Marcos e muitos outros locais de grande visitação são sustentados até hoje por pilares de madeira milenares. A madeira não apodrece porque não está em contato com a atmosfera e por isso não encontra o oxigênio necessário para a sua decomposição. Os pilares escolhidos na época tinham cerca de 4 metros e foram colocados com tábuas e blocos de pedra em cima. A Pedra barra a passagem da água, o que permite colocar terra em cima.


Veneza foi construída pela união de pequenas ilhas e conta com 177 canais para navegação

Aos poucos e após vários acontecimentos que favoreceram o comércio de Veneza, o embaixador veneziano passou a gozar de privilégios exclusivos ante Bizâncio. Veneza explodiu seu poder com o comércio de sedas e especiarias de Constantinopla e da Alexandria.

Em 1204 começou o apogeu de Veneza, quando o império grego foi dividido entre os cruzados (era o início da quarta cruzada) e os venezianos, que ficaram com diversos bairros comerciais da Síria, Palestina, Creta e Chipre. Aí surge Marco Polo, símbolo do espírito veneziano. Surge logo depois o ducado, uma moeda de ouro que permaneceu por três séculos no comércio mundial.


Há 409 pontes sobre os canais da incrível Veneza

As primeiras pontes de pedra surgiram em 1170. No ano de 1500, já havia 166 pontes. A posição estratégica no Mar Adriático garantiu que os navios tornassem Veneza uma cidade rica e poderosa, bem antes da descoberta da América. Veneza contava com um conselho que controlava de perto o trabalho da administração da cidade. 4 pessoas compunham o sistema judiciário. No palácio, existiam as “bocas de leão”, uma espécie de caixa de correio onde as pessoas depositavam suas observações sobre a governo. Tudo de forma anônima, bem ao contrário dos dias atuais, em que a internet deu voz a todos e a privacidade anda em baixa.

A Sereníssima República de Veneza começou a perder poder com o surgimento de novas rotas na navegação. Veneza foi conquistada por Napoleão em 1797. Na realidade, a Revolução Francesa havia deixado Veneza sem poder de ação. Napoleão Bonaparte tentou se aliar e Veneza se negou. Ele se enfureceu, saqueou o Bucintoro (barco do Dux) e se apoderou de todos os ouros e os objetos de valor. Assim, passou o controle de Veneza para os austríacos e isso perdurou até 1866, quando a paz se restabeleceu entre a Itália e a Áustria, que trocou Veneza por uma indenização. No Tratado de Veneza, a Áustria cedia Veneza à França e essa à Austrália. Depois de um plebiscito, Veneza decidiu fazer parte, definitivamente, da Itália. Napoleão extinguiu o famoso Carnaval de Veneza, quando nobres e os plebeus se divertiam mascarados, como iguais. Este Carnaval de máscaras só voltou a acontecer em 1980.

Vale a pena economizar agora para escolher Veneza como primeiro roteiro quando acabar o pesadelo da pandemia do coronavírus.

No primeiro dia de visita a Veneza, dá um certo estranhamento diante da falta de carros, motos e bicicletas. Tudo acontece por barcos. O táxi que leva o viajante do aeroporto ao hotel é um barco. A polícia que cuida da região faz ronda de barco. O posto de saúde fica em um barco ...

Lembre-se de que existem 177 canais e 409 pontes para as famosas juras de amor... As principais pontes são a Rialto e a dell´Academia, que cortam o maior dos canais, chamado de Grand Canal. Este corta a cidade inteira.

O ideal é ficar pelo menos três dias na cidade, considerada o símbolo dos relacionamentos românticos. Muitos pedidos de casamento já foram feitos com um gondoleiro como testemunha.

Esta cidade oferece lindas surpresas e monumentos bem bacanas para a sua visitação. O roteiro dos passeios pode ser feito pelo vaporetto, um meio de transporte público muito utilizado na cidade. Tem este nome porque, antigamente, o motor era a vapor. Mesmo atualmente sendo movido a óleo diesel, manteve o seu legendário nome. É um ônibus aquático, que transporta turistas a vários locais através dos canais de Veneza. Você pode usar este transporte aquático também para visitar as ilhas próximas de Veneza: Burano (ilha dos bordados), Murano (dos famosos cristais que têm este nome Murano, pela fama da ilha) e Torcello (onde fica a Basílica de Santa Maria Assunta, com mosaicos veneziano-bizantinos de cair o queixo). Neste caso, vale a pena comprar o passe diário e incluir também o passeio à San Giorgio Maggiore.


A fábrica de cristais mais antiga do mundo fica na Ilha de Murano, que deu origem ao famoso e valorizado cristal Murano 

Existem pequenos vilarejos próximos a Veneza, com bons e acessíveis hotéis e o passeio entre estas ilhotas e a cidade de Veneza é bem bacana. Você pode optar por pagar menos por estas acomodações. Jamais perca o café da manhã, com seus pães e frios maravilhosos e diferentes do que estamos acostumados no Brasil.

A grande dica é... se perca em Veneza!!! Uma cidade charmosa, elegante, com excelentes (e caros) restaurantes e vinhos imperdíveis! A gastronomia italiana típica pode ser apreciada por toda parte. Isso, sem falar nos cenários para fotos, repletos de gôndolas, com muitos enfeites dourados refletindo o pôr-do-sol e uma magia sem igual. Raramente um turista quer conhecer Veneza desacompanhado, por isso o clima de romance permeia os ares desta cidade que também exige calma e sabedoria. Explore Veneza de forma intuitiva e sem agitação.


O melhor horário para o passeio de gôndola é o fim da tarde, ao pôr do sol

Se você tiver interesse em fazer o passeio de gôndola, aproveite o cair da noite ou o começo da manhã, quando as ruas ainda estão tranquilas e a atmosfera de Veneza fica ainda mais romântica, com o sol a seu favor. Este passeio custa 80 euros para o casal e tem duração de 30 minutos. Você pode garantir o seu passeio de gôndola com antecedência e evitar filas, comprando os tíquetes na Praça de São Marcos, o ponto turístico mais icônico de Veneza, onde fica a Basílica, que guarda os restos mortais do apóstolo de Jesus. Detalhe: o venerado túmulo de São Marcos poderia ser o corpo de Alexandre Magno, pois estas relíquias foram roubadas em Alexandria por dois mercadores venezianos e levadas para Veneza, em 828 D.C. Tome um café na Praça São Marcos, observando a famosa Torre do Relógio, sempre repleto de turistas, registrando lindas imagens. Outros passeios bacanas são o Palácio Ducal, os Jardins Reais de Veneza, a Ponte Dos Suspiros, a Riva degli Schiavoni, a Ponte del Diavolo, a Libreria Acqua Alta (uma das bibliotecas mais lindas do mundo e um lugar ótimo para fotos), a Ponte da Academia, a Basílica de Santa Maria Della Salute, a Punta Della Dogana e a San Giorgio Maggiore. Tudo pertinho! 


Nada mais charmoso do que tomar um café e comer um macaron no Campanário da Praça São Marcos

Não deixe de apreciar as ruelas e pontes no caminho. Coma salgadinhos nas pequenas padarias em estilo lanchonete e se delicie com o sabor de tudo.

Na região de Dorsodouro, observe tudo com carinho, pois é uma região extremamente charmosa e tem uma atmosfera artística incrível. Use o vaporetto ou caminhe até lá. Comece pela Ponte da Academia, que tem uma das vistas mais fantásticas de Veneza e siga para explorar as ruelas super charmosas do bairro. Não deixe de ver com olhos de lince a igreja San Giorgio Maggiore, o seu campanário e o Labirinto Borges.

Na volta da ilha, você pode jantar nos arredores do Campo Santa Margherita al Grande, que é uma das praças mais populares de Veneza e também fica repleta de turistas. A Ponte Rialto é considerada a mais romântica de Veneza. Se for pedir alguém em casamento, pense neste assunto ao decidir conhecer a ponte com seu amor. Ah, e não deixe de subir no terraço da Fondaco dei Tedeschi para vistas incríveis e gratuitas de Veneza.


Veneza é o roteiro ideal para casais apaixonados

O Mercado Rialto é um dos mais tradicionais da cidade e frequentado por moradores da cidade. Depois visite o Palazzo dei Camerlenghi e Igreja San Giacometto, que tem entrada gratuita.  Explore também o Sotoportego de l’Erbaria, nas margens do Canal Grande e se delicie com um cafezinho olhando as águas. Não se esqueça de fazer o seguro viagem ao comprar seus bilhetes, pois ele é obrigatório na Europa.

A sugestão do entardecer é caminhar na Riva Del Vin, um dos calçadões mais movimentados de Veneza e tem vistas lindas do canal. Por lá vai encontrar vários restaurantes e muito bares charmosérrimos!

A caminhada pode rolar até Canareggio, o bairro mais residencial e autêntico de Veneza.

Vale a pena conhecer a Galleria Giorgio Franchetti, a Ca’ d’Oro, a Casa del Tintoretto, a Igreja da Madonna dell’Orto, a Ponte Chiodo e a Igreja de Santa Maria Assunta. Ah, e o Gueto Judeu é muito interessante, já que representa o mais antigo do mundo!

Fique esperto com a Acqua Alta, um fenômeno que ocorre periodicamente em Veneza, quando o mar sobe de nível. Algumas grades são colocadas nas ruas para os pedestres passarem sem se molhar. A maré sobe até 90 centímetros do seu nível normal.

Para sentir verdadeiramente o clima de Veneza, sente-se às margens dos canais para apreciar o vai e vem dos locais e turistas, barcos e gôndolas!

Faça e poste muuuuuitas fotos!


A Ilha de Burano é repleta de casas coloridas e famosa pelos seus bordados artesanais