Arte e Cultura em Movimento: Monumentos culturais brasileiros marcam os 200 anos de Independência da Grécia


Evacira Coraspe


Muitos países, inclusive o Brasil, comemoram o Bicentenário da Revolução da Grécia, que se deu em março de 1821. A Proclamação da República do Brasil foi em 1822, datas históricas bem próximas. O professor e mestre em História Mozart Lacerda Filho explica qual a relação política entre esses dois fatos.  “Dentre os fatores externos que levaram ao processo de independência do Brasil, que completará 200 anos em 2022, podemos destacar a disseminação das ideias iluministas na Europa, a emancipação dos Estados Unidos em relação aos ingleses e à Revolução Francesa, que infundirá sentimentos libertários em toda a Europa, fazendo com que cheguem ao Brasil.” Ele enfatiza que o processo de independência dos gregos, que no último dia 25 de março completou 200 anos, de certa forma se assemelha ao nosso, ao menos em seus motivos iniciais, se levarmos em conta esse mesmo sentimento de liberdade que insuflará os gregos a se separarem dos turcos. 

O professor concorda ser o processo de independência muito novo mesmo. “A Grécia esteve muitos séculos sob o domínio do Império Turco Otomano.” Questionado sobre os grandes impactos culturais e artísticos daquele país, o historiador leciona: “É na Grécia que a civilização ocidental nasce: língua, literatura, política, democracia, arte, filosofia, elementos que vão marcar profundamente o nosso modo ocidental. Olhar para a Grécia é, no fundo, olhar para dentro de nós mesmos.
Os gregos souberam, como nenhum outro povo, transformar o conhecimento que havia ao seu redor em ciência, como é o caso da aritmética que existia na Babilônia e no Antigo Egito, que foi transformada em matemática pelos gregos.” 


Professor e mestre em História Mozart Lacerda Filho


De acordo com o site jrs digital, cerca de 40 mil gregos e descendentes residem em todo país, com maior concentração nas cidades de São Paulo (SP), Brasília (DF) e Florianópolis (SC). Em Uberaba, temos o médico Constantino Calapodopulus e familiares. 

A mesma publicação apresenta os monumentos turísticos brasileiros que homenagearam a comunidade greco-brasileira, entre eles o Cristo Redentor, Rio de Janeiro (RJ); a Catedral e o Museu Nacional, em Brasília (DF); a Central e o Monumento da Abertura dos Portos às Nações Amigas, em Manaus (AM); a Assembleia do Estado de Pernambuco, em Recife (PE); o edifício da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, FIESP, (SP);  a Pinacoteca em São Paulo (SP). Todos espelharam o azul, cor da bandeira Grega.


Cristo Redentor


Prédio da Fiesp


Pinacoteca em SP


Evacira Coraspe

Jornalista. Administradora. Professora de bordado terapêutico. Assessora de Comunicação na Câmara Municipal e Apresentadora do Programa Movimento na TV Câmara. Autora do livro Flor de Chita.


Siga a Revista Mulheres no Instagram e no Facebook.