O cão subiu no telhado!


Marcos Moreno


Todos nós conhecemos a metáfora “o gato subiu no telhado”, que quer dizer que um acontecimento está prestes a acontecer.  A expressão vem da lenda sobre um casal que tinha um gato ao qual devotava muito cuidado. Um dia tiveram de viajar e deixaram o bichano aos cuidados de uma empregada. Passado algum tempo, ela ligou para os patrões e avisou: o gato morreu! O casal ficou desesperado e a mulher mais ainda. Então disseram para a pessoa que estava cuidando do gato que ela deveria dar a notícia aos poucos, para não chocar tanto. Primeiro deveria dizer: “o gato subiu no telhado”. Passado mais um dia diria: “o gato escorregou do telhado”, depois “o gato caiu do telhado” e por fim então contaria que o gato tinha morrido. Mas nunca se falou “o cão subiu no telhado”. 


Marley e eu? 

Pois é, eu acabo de presenciar uma cena parecida com imaginária da lenda, só que com cachorro. Inimaginável!!! Nunca pensei que fosse ver o que vi, na minha casa. As histórias de meu cão Chien, que morreu ano passado, eu contei em minutos na Rádio Universitária (Minuto Pet). Quando ele morreu jurei pra mim mesmo que não adotaria mais nenhum cachorro ou gato. Só que não. Cachorro e gato cruzaram minha vida nesse período, mas mantive firme meu propósito. Eis que por uma situação inusitada acabei trazendo outro cachorro pra casa, exatamente igual ao falecido, um pouco mais alto e bem mais dócil. SRD (Sem Raça Definida). Repetindo: por causa de uma situação emergencial. Bem, o cachorro ficou. Recebeu comida, tratamento, banho e começou a se animar. Em dias começou a mostrar a que veio. Quem assistiu ao filme “Marley e eu”? Pois é, é aquela história. 


Cena do filme Marley e eu


Pena que não filmei 

Já bem acostumado (porque com mordomias é sempre mais fácil de se acostumar) ganhou todos os espaços da casa e se sentiu o rei da cocada. Passo os dias com ele, mas vou à noite embora para outro lugar. Sim, ele ainda está destruindo coisas, mas já está acostumando. Mas qual não foi o meu susto quando tive que sair uma tarde dessas e o fechei, como de costume (não era assim com o Chien) do lado de fora da casa, no quintal. Depois da porta existe uma varanda de pouco mais de um metro de largura, cercada por um parapeito e no final há uma escada que dá em um quintal com uma parte coberta como um quiosque (área gourmet?). O telhado é de telhas de barro comum e um lado dele é encostado na varanda. O parapeito separa o telhado da varanda. Eis que quando chego da rua, vou diretamente abrir a porta para liberá-lo pra poder entrar dentro de casa. Normalmente ouço o choro dele querendo entrar. Dessa vez não ouvi. Ao abrir a porta me deparei com o cachorro (Nino) em cima do telhado. Ele conseguiu pular o parapeito, mas não dava para voltar. Estava assustado e se não chego naquele momento poderia cair e morrer ou se machucar muito. O meu instinto foi tentar alcançá-lo e puxar para dentro da varanda. Ficamos os dois apavorados, mas conseguimos. Pena que não fotografei ou filmei, porque seria uma cena diferente. Um cachorro enorme, preto, em cima do telhado. Então, dessa vez, não foi o gato que subiu no telhado. Só faltou ele estar chupando manga.


Nino está ótimo, depois de me passar um tremendo susto


(Parceiro publicitário - Moreno Pet Blog)


Marcos Moreno

Comunicador, colunista, criador da Coluna Amigo Animal e do Moreno Pet Blog. 

Siga o Marcos no InstagramFacebook e/ ou lhe envie um e-mail (kiktiomoreno@terra.com.br).


Siga a Revista Mulheres no Instagram e no Facebook.