Pelo fim da cultura do estupro


Jornalista Juba Maria       


A realidade atual tem provocado tantos sentimentos de medo, raiva e desesperança que quase nos esquecemos da quarta onda feminista, que alcançou sua maior amplitude em 2015. Foi pensando no desejo que levou milhões de mulheres para as ruas naquele momento que Revista Mulheres decidiu conversar com algumas especialistas que pudessem expor um pouco da sua análise sobre a cultura do estupro. 

A advogada Tatichelle Rodrigues trabalha na Superintendência Regional de Saúde e explica que a cultura do estupro é um jeito de se colocar no mundo que faz parte do patriarcado. Nesse contexto, mulheres são objetificadas, tratadas como se não fossem pessoas com direitos e obrigações. 

Esse tipo de cultura, segundo ela, está presente nas propagandas de TV, na pornografia adulta e infantil, nos filmes e novelas e nas diferenças salarias entre homens e mulheres. Acontece também na educação de gênero, quando, desde cedo, meninos são incentivados a serem "agressivos" e "pegadores", enquanto meninas devem ser delicadas e discretas quanto à sexualidade. Isso sem falar na diferenciação das tarefas domésticas, quando meninos são orientados a estudar e trabalhar e meninas precisam saber cuidar da casa. 

Tudo isso, segundo ela, é alimentado coletivamente. A violência, o estupro e o feminicídio nada mais são do que os atos finais dessa estrutura tão enraizada na sociedade. E, apesar da crueldade desses crimes, as pessoas parecem não sentir revolta, pavor, repulsa e injustiça. “Fomos educados para agir como se o corpo e a vida das mulheres não fossem realmente importantes e, por isso, está tudo bem em violentá-los'', comentou. “Basta que façamos uma análise histórica das legislações de proteção à mulher e seus direitos para constatar isso”. Tatichelle lembra ainda que a Lei Maria da Penha, por exemplo, é muito recente. 


Tatichelle Rodrigues é advogada e atua na Superintendência Regional de Saúde


A publicitária Alyne Gondim lidera o Núcleo Mulheres do Brasil em Uberaba e reflete sobre o impacto negativo da cultura do estupro na sociedade. “Muitos homens encaram como normal aquele assovio ou frases grotescas como "Ohh, lá em casa, gostosa", seguidas de caras e bocas nojentas e algumas vezes gestos obscenos”, comentou. Segundo Alyne, essas frases são apenas a ponta de um iceberg de comportamentos adquiridos. Um dos impactos negativos disso, segundo ela, é que muitas mulheres são desacreditadas quando denunciam um crime de estupro. “Ainda há um pensamento de que a mulher está se expondo, expondo a família, colocam dessa forma a vítima como culpada, e aumentam o sofrimento além da violência já sofrida”, comentou. 

Para Tatichelle, frases como “Se ela não denunciou, é porque gostou"; "Quem mandou sair com aquela roupa? Estava pedindo"; "Será que é verdade? Conheço ele, é de família boa, nunca ouvimos nada dele" são outros exemplos de afirmativas que apenas corroboram com a cultura do estupro. De acordo com ela, as mulheres sempre são colocadas em situação de culpadas, porque o sistema de polícia e justiça são majoritariamente compostos por homens e, culturalmente, por homens, brancos, que perpetuam a cultura do estupro. 

No livro “Explosão feminista”, organizado por Heloísa Buarque de Holanda, Maria Bogado lembra que naquele 2015 estudantes do estado de São Paulo ocuparam dezenas de escolas estaduais. O objetivo era impedir uma reforma proposta pelo então governo do PSDB, que planejava fechar 92 escolas. Na época, o hasthag #VaiTerShortinhoSim viralizou nas redes, levando o debate das questões de gênero e cultura do estupro para as escolas. Depois, o filme “Lute como uma menina!”, lançado em 2016, retratou a atuação das meninas que impediam que divisões de gênero acontecessem nas ocupações. Em uma escola de Niterói, criaram o “Mural dos Machistas”, onde reproduziam falas escutadas. Olhando para esse cenário, Tatichelle percebe que o Brasil vinha avançando consideravelmente em termos de acesso à discussão e construção de políticas públicas. Essa marcha, no entanto, parece ter sido interrompida e silenciada por governos declaradamente machistas. 



Apesar disso, algumas mulheres consultadas para esta matéria estão otimistas. Ana, Maria e Luana não quiseram ser identificadas, mas relatam terem sido vítimas de estupro. Apesar dos traumas, das frequentes crises de ansiedade e do medo de falar sobre o assunto, elas acreditam que juntas as mulheres estão mudando essa realidade. 

"Quando uma mulher realiza uma denúncia e fala sobre isso ela não tem noção do quanto encoraja outras mulheres a também quebrarem o silêncio”, disse Ana. “Tem sido muito difícil pra mim lidar com o olhar das pessoas que me questionam e com o medo que eu sinto todos os dias”, revelou Maria. “Pra mim, o mais difícil foi aceitar que fui estuprada todos os dias por mais de 10 anos por meu ex-marido sem nem saber que aquilo era um estupro”, contou Luana. 

Já Alyne aposta na vocação de grupos como o Mulheres do Brasil para quebrar a crença de que mulheres apenas competem entre si. “Essa cultura patriarcal e, consequentemente, a cultura do estupro, começa a perder espaço para políticas e ações realmente efetivas e eficazes para a sociedade”, observou. 

De modo geral, Alyne, Tatichelle, Ana, Maria e Luana concordam que, para transformar essa cultura, não basta que as mulheres denunciem e se articulem em grupos e coletivos. É fundamental que, além disso, exista uma mudança nos órgãos competentes e nos profissionais que atendem diretamente às vítimas. Afinal, os grupos passam, mas as políticas públicas bem implementadas ficam. Isso sem falar da necessidade de mudança da postura dos homens, que precisam colaborar na construção de masculinidades mais sadias. 


Aline Gondim em encontro do Grupo Mulheres do Brasil


Siga a Revista Mulheres no Instagram e no Facebook.